Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cantinho da Manu

"Quando duas pessoas partilham um pão, cada uma volta com um. Quando partilham ideias, voltam com duas." (Buda)

Cantinho da Manu

"Quando duas pessoas partilham um pão, cada uma volta com um. Quando partilham ideias, voltam com duas." (Buda)

Em Amesterdão

Eu, a Júlia, a Raquel e a Manela desta vez resolvemos ir até Amesterdão.

Éramos um grupo que todos os anos escolhia uma capital europeia para visitarmos. O grupo foi-se dispersando e infelizmente as nossas saídas acabaram.

Todas com características diferentes completávamo-nos na perfeição. A Júlia tinha um sentido de humor fora de série e punha-nos a rir até ás lágrimas. A Raquel, a mais bonita, fazia furor por onde passava, a Manela era a que punha ordem no grupo e como mais velha era a mais atinada. Eu...bem... sempre desatenta, cabeça no ar , nunca sabia onde estava, deixava-me conduzir.

Ficámos num hotel razoável, com o único inconveniente das  traseiras darem para uma rua estreita onde havia uma discoteca. Numa das noites acordámos sobressaltadas com o barulho de gritos e tiros. Espreitámos por detrás das cortinas e parecia uma cena de filme. Ficámos horrorizadas.

Passeámos pelos três canais que atravessam Amesterdão o que nos permitiu poder parar onde queríamos e voltar a subir de novo.

O condutor do barco enquanto esperava enrolava a sua ervita e fumava na maior, prática  que me fui habituando a ver por todo o lado. Ainda pus a hipótese de entrarmos num daqueles cafés típicos onde se fumam umas coisas, mas ainda não foi desta que pude experimentar, elas não quiseram. 

Foi a primeira vez que ia sendo atropelada por uma bicicleta...que susto! Ia de cabeça no ar sem reparar que estava numa ciclovia em vez de ir no passeio. A Raquel teve tempo de me puxar pelo braço e salvar-me do atropelo..claro que houve gargalhada geral.

Um dia resolvemos ir passear pela célebre rua onde as meninas estão nas montras meias despidas. Fingindo descontração lá íamos olhando pelo canto do olho , como se aquilo fosse a coisa mais natural do mundo. No fim da rua sentámo-nos  e aí é que fizemos os nossos comentários mais ou menos escandalosos (mais risota).

Não perdemos uma excursão até ao campo. Visitámos uma quinta onde nos explicaram como se faziam os queijos. Para quem não gosta de queijo como eu foi difícil suportar o cheiro. A fábrica das socas também foi um sítio que gostei de ver. Espantou-me a rapidez como apenas  uma pessoa, faz  com a ajuda de uma máquina, um belo par das tão famosas socas que os holandeses usam dentro de casa. Comprei umas que servem para decorar, não posso andar com elas senão os vizinhos refilam com a barulheira.

A visita à casa de Anne Frank foi obrigatória, gostei, embora as lágrimas tivessem caído á medida que ia ouvindo a história.

Mercados com coisas a bons preços havia muitos, aí é que nos perdemos. Não tenho jeito para regatear, mas no grupo havia sempre alguém que o fazia por mim. As minhas botas bem quentinhas foram a melhor aquisição.

As flores...ai as flores ...maravilha, um mercado enorme com elas, de todas as cores feitios e tamanhos, principalmente tulipas, claro.

Como este meu canto anda um pouco cinzento resolvi deixar um toque bem alegre para animar isto.

         

 

14 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil