Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cantinho da Manu

"Quando duas pessoas partilham um pão, cada uma volta com um. Quando partilham ideias, voltam com duas." (Buda)

Cantinho da Manu

"Quando duas pessoas partilham um pão, cada uma volta com um. Quando partilham ideias, voltam com duas." (Buda)

Amar será sofrer?

Ele viu-a pela primeira vez e o coração bateu mais forte.

Ela reparou que ele a olhava de maneira diferente, talvez com carinho, seria só isso?

Os olhos dele brilharam mais quando conversaram como se já se conhecessem há muito.

Ficou surpreendido quando recebeu a primeira mensagem dela.

Ela corou quando ele lhe disse que estava muito bonita.

 

Sinais...vão surgindo cada dia mais sinais, criam-se expectativas...será que ele está apaixonado por mim? Será que ela gosta mesmo de mim, ou trata toda a gente com a mesma simpatia?

 

Encontros e desencontros, dúvidas...querem-se certezas, reclamam-se definições, sonha-se todas as noites com o encontro do dia seguinte , com a troca de olhares , procurando cumplicidades, algo que demonstre que foram feitos um para o outro, que têm objectivos em comum, que os dois têm tudo para construir um relacionamento perfeito.

 

Mas...os dias sucedem-se, a incerteza instala-se, um deles começa a amar, a pensar que esta/este é o homem/ mulher da sua vida.

A pouco e pouco assiste-se a um crescendo no desequilíbrio entre afectos que deveriam ser recíprocos e que lentamente se vão tornando prova irrefutável de que afinal  as afinidades não eram assim tantas, que um deles não correspondia aos sinais inicialmente enviados... o que parecia ser um grande  amor, não passou de uma quimera.

Eis que se instala o sofrimento!

Naquele dia não houve encontro, os telefonemas passaram a ser mais espaçados, pequenos gestos de carinho, algumas atenções, surpresas agradáveis, o convite para  jantar que ficou no ar, há muito deixaram de acontecer.

Começam as lágrimas silenciosas em noites que se desejavam cheias de amor.

Começam as esperas infinitas, o coração inventa desculpas para a lucidez que se amaldiçoa quando baixinho ela nos diz:- Não te iludas, não sofras, amar não é sofrer, foge, esquece...

Queremos a tudo o custo calar a voz da razão  que corrói a nossa alma,  como se se tratasse de um demónio que avesso ao amor, nos impede de ser felizes.

 

Tantos lamentos, tanta dor, tantos desabafos, tanta esperança que se vai desvanecendo.

 

Um dia escrevi aqui sobre amor incondicional, esse amor que nada pede em troca, que quer que o outro seja feliz, mesmo que não seja ao nosso lado...amor que só com muita prática e entrega, desapego e compaixão se consegue praticar.

 

Hoje deixo aqui parte de uma oração celta que talvez ajude a minimizar o sofrimento de todos os que amam e não são amados.

 

"Jamais permitas que o teu coração sofra em nome do amor.

Amar é um acto de felicidade, por quê sofrer?

Jamais permitas que os teus olhos derramem lágrimas por alguém que nunca te fará sorrir.

Jamais permitas ficar horas á espera de alguém, que nunca virá mesmo tendo prometido.

Jamais permitas que o teu tempo seja desperdiçado com alguém que nunca terá tempo para ti.

Jamais permitas que paixões desenfreadas te levem para um mundo que nunca existiu.

Jamais permitas que os sonhos dos outros se misturem com os teus, tornando-os um grande pesadelo.

Jamais  permitas viver na dependência de alguém com se fosse inválido(a)

Jamais permitas que teus pés caminhem em direcção de alguém, que só vive fugindo de ti.

Jamais permitas que a DOR, a TRISTEZA, a SOLIDÃO, o ÓDIO, o RESSENTIMENTO; o CIÚME, o REMORSO e tudo o que possa tirar o brilho dos teus olhos, te DOMINEM, fazendo arrefecer a força que existe dentro de ti.

E sobretudo jamais permitas perder a dignidade de SER"

25 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mais sobre mim

imagem de perfil