Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cantinho da Manu

"Quando duas pessoas partilham um pão, cada uma volta com um. Quando partilham ideias, voltam com duas." (Buda)

"Quando duas pessoas partilham um pão, cada uma volta com um. Quando partilham ideias, voltam com duas." (Buda)

UMA OUTRA FORMA DE AMAR...ou não...

 

 

Os olhos cruzaram-se, sentiram um aperto no estômago, o coração começou a bater mais rápido, ela corou, ele desajeitado deu-lhe um beijo e disse: -Muito prazer! Tiveram a impressão que já se conheciam há muito, era "ELE" o tal...era "ELA", a mulher que há muito procurava.

Começaram a conversar, a princípio banalidades, para ficarem pouco a pouco mais à vontade. Depressa ,as palavras fluiram... tinham gostos tão parecidos, interesses em comum, sonhos...tantos sonhos!...

Trocaram números de telefone e ficou no ar o convite para um cafezinho.

A partir desse dia, o sol brilhou para ambos.

Mensagens, telefonemas, jantarinhos em lugares românticos começaram a fazer parte do dia a dia de cada um deles.

ESTAVAM APAIXONADOS!

Durante uns tempos , parecia que o mundo lá fora tinha desaparecido, viviam um para o outro, todos os minutos eram aproveitados para estarem juntos e as despedidas eram sempre difíceis. Eram felizes!

 

E depois?........

Há dois destinos possíveis:

1- O estado de paixão desapareceu, mas foram solidificando um amor que iria perdurar.

Respeitavam-se, davam espaço um ao outro, confiavam e conseguiram um equilíbrio que permitiu que ambos percebessem que na realidade poderiam construir uma relação estável e duradoura.

 

2- O estado de paixão desapareceu, ele deixou de telefonar ou enviar mensagens com a assiduidade habitual, ela começou a cobrar, surgiram desconfianças, ciúmes...

No meio de acesas discussões tentaram explicar, ele as ausências, ela as promessas feitas.

Prometeram rever atitudes, disseram  pela milésima vez um ao outro o quanto se amavam.

Nada voltou a ser como dantes, não conseguiram transformar a paixão em amor, começou a haver apego, dependência, dor...impossível uma relação sobreviver com tantas dúvidas e desconfianças.

Foram-se afastando lentamente, amargurados, tristes, com a sensação que o que parecia que era deixou de ser.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D