Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cantinho da Manu

"Quando duas pessoas partilham um pão, cada uma volta com um. Quando partilham ideias, voltam com duas." (Buda)

"Quando duas pessoas partilham um pão, cada uma volta com um. Quando partilham ideias, voltam com duas." (Buda)

SINAIS

Em contramão, seguindo sem qualquer possibilidade de vislumbrar caminhos que mesmos confusos e esburacados , me fazem persistir em rotas esconsas de linhas indefinidas, onde os precipícios se mostram, desafiando mínimas distracções que podem ser fatais, quando se persiste em olhar em frente , obcecada pela esperança de chegar.

Chegar sem saber onde, sem saber para quê, sem projectar seja o que for, nem esperar que esteja alguém de braços abertos, acolhendo-me, reconfortando-me e atenuando as dores de uma viagem sem regresso.

 

Há o prazer sórdido e impensado, de percorrer o que há muito deixou de ser um trilho ladeado de odores, cores e beleza que se esvaiu com a desilusão da secura ou mesmo ausência de palavras esperadas em cada noite de sonhos irreais feitos de quimeras construídas com ilusões.

 

E nesta noite obscura de ideias, reúno as poucas forças que me restam e com um fio de esperança preso pela ténue linha da força e do querer indomável, descubro ao longe, muito distante e quase imperceptível um sinal, que não sendo uma miragem num deserto de areias movediças, me faz reunir a força que me resta e seguir em frente, desta vez percorrendo outro caminho, onde a culpa, o desconforto, o arrependimento,  a saudade e a ilusão deixaram por fim de ser perigos eminentes em cada curva e serão substituídos por sinais de verdade, confiança e esperança, que me dão a inefável sensação, mesmo que ilusória, de que o caminho é aquele que quero, evitando que alguém o faça por mim, sendo eu definitivamente dona do meu destino e usufruindo de momentos de paz, fidelidade a princípios outrora escritos e há muito esquecidos. 

 

Hoje esqueci, hoje recomecei!

Egoísmo ou individualidade?

Foto de Existe um Olhar

De vez em quando, entre amigos, surgem aqui e ali conversas mais sérias, que geram discussões saudáveis, trocas de ideias, reflexões e conclusões que vão alterando certos conceitos dados como certos e há muito definidos.

 

Por vezes somos levados a concluir que neste mundo em constante mudança, são de prever alterações não só físicas, ou ambientais, como também de comportamentos. Por vezes acordamos para realidades que não nos deixam indiferentes e que devemos acompanhar como fazendo parte da natural transformação inerente ao ser humano, quer concordemos ou não com elas.

Visioná-las, radiografá-las, fazer um diagnóstico que pode ou não ser consensual é tarefa que me faz deambolar e perscrutar sem grande pretensão no mais profundo e recôndito esconderijo da mente, tentando decifrar códigos e padrões que de maneira indelével vão modificando o nosso quotidiano.

 

Esta introdução serve para a questão colocada num  grupo, onde se perguntou qual a causa do crescente aumento de divórcios e do facto de cada vez mais gente querer viver sozinha.

 

Enquanto alguns defendiam que vivemos num mundo cada vez mais egoísta em que as pessoas fogem da responsabilidades, dos compromissos, das ligações que impliquem fidelidade, constância e abnegação, outros altercavam dizendo que em situações em que era pedida solidariedade, ajuda, apoio material e emocional, aí o panorama era totalmente diferente e a entreajuda, a dádiva, a entrega e o altruísmo se faziam notar, entrando em contradição com o aparente egoísmo.

 

E nestas conversas há sempre alguém que talvez devido à idade, ao estudo, às vivências, consegue arranjar um ponto de equilíbrio e fazer com que olhemos de maneira diferente para questões que por vezes catalogamos sem certezas da sua autenticidade.

 

Individualidade, é a nova palavra de ordem. 

 

As pessoas hoje, mais que nunca, querem testar e desenvolver as suas capacidades, descobrir o potencial de que dispõem, garantindo desta forma uma satisfação interior que não passa pelo exibicionismo nem publicidade das conquistas que vão sendo atingidas a nível do desenvolvimento pessoal. 

Há necessidade de acreditarmos em nós próprios,  de inovarmos, de sermos pioneiros, de se poderem traçar objectivos que nos permitam viver sem medos, conscientes do nossos valores, definindo estratégias que não impliquem dependência e aprovação e que nos possibilitem  caminhar com autonomia e segurança, sem contudo revelarmos ou fazermos alarde das nossas conquistas, conscientes da nossa força  para conduzirmos as nossas vidas, não abdicando da nossa individualidade. Simultaneamente  vamos ficando mais atentos e receptivos ao mundo que nos rodeia, com a possibilidade de intervirmos de forma assertiva promovendo desta forma o bem estar de todos. 

 

Será afinal, que aquilo que conhecemos como atitudes egoístas, são ao fim ao cabo uma forma de caminhar lado a lado sem nos esquecermos de quem somos, para onde queremos ir e o que queremos aprender? 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D