Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cantinho da Manu

"Quando duas pessoas partilham um pão, cada uma volta com um. Quando partilham ideias, voltam com duas." (Buda)

Cantinho da Manu

"Quando duas pessoas partilham um pão, cada uma volta com um. Quando partilham ideias, voltam com duas." (Buda)

Deita fora o que não precisas

 

Tens o hábito de guardar objectos inúteis acreditando que um dia vais precisar deles?

Tens o hábito de juntar dinheiro sem gastá-lo porque imaginas que ele te poderá fazer falta no futuro?

Tens o hábito de guardar roupas, sapatos, móveis, utensílios domésticos e outras coisas que já não usas há muito?

E dentro de ti?

Tens o hábito de guardar raivas, ressentimentos, tristezas, medos e outros sentimentos negativos?

 

Não faças isso, vai contra a tua prosperidade.

É preciso deixar um espaço, um vazio para que novas coisas cheguem à tua vida.

É preciso desfazeres-te do inútil que há em ti e na tua vida para que a prosperidade possa acontecer

A força desse vazio é que absorverá tudo o que desejas

 

Se acumulares objectos e sentimentos velhos e inúteis

Não terás espaço para novas oportunidades

 

Os bens necessitam circular.

Limpa as gavetas, os armários, a garagem...a mente

Dá tudo o que já não usas

 

Quando se guarda considera-se a possibilidade de falta e de carência

Há que confiar no amanhã

E que coisas boas virão.

Deixa entrar o novo em tua casa e até dentro de ti!

 

 

publicado às 20:52

A sensação de ser livre e de poder viver

 

 

Liberdade não é somente a sensação de estar livre, mas também, de se poder viver.

(Mário Pires)

 

A sensação de estar e ser livre sempre me acompanhou desde que me lembro de ser gente.

Nunca fui capaz de me prender a coisas, a pessoas e a objectos.

E lidas estas palavras, pode-se pensar em egoísmo, em solidão, ou numa vida em que mesmo as pequenas emoções me passam ao lado...nada de mais falso.

 

A minha liberdade, aquela como a sinto, como a vivo, como a sonho, é aquele momento em que me desprendo, que  me solto, que me evado da prisão de sentimentos alheios, de merecimentos, de cobranças, de pertencer a algo ou alguém que não seja o meu "eu".

 

Hoje cheguei a casa já a noite tinha caído. Acendi as luzes, fiz um chá e sentei-me, pensando no dia que foi inundado de emoções inesperadas e de acontecimentos nunca programados.

 

De repente ouço um restolhar estranho. Como tenho as janelas quase sempre abertas pensei tratar-se de algum insecto daqueles barulhentos e que se sentiu ofuscado pela luz...mas não...empoleirado no candeeiro da sala lá estava um passarinho.

 

Senti-lhe o medo, a desorientação que nesse momento foi tão grande como a minha.

-Que fazer para que ele encontrasse o caminho? Apaguei e acendi vezes sem conta o candeeiro e nada. Aproximei-me e assustado voou à toa contra os móveis, empoleirando-se aqui e ali. Por momentos cheguei a pensar no pior, não fosse um voo mais violento fazer com que caísse inerte nalgum canto da sala.

 

Devagar , muito devagar, com uma manta leve, deixou que o envolvesse e que lhe devolvesse de novo a liberdade.

 

Respirei de alívio e nessa altura vi confirmadas todas as minhas ideias sobre a vida e do modo de voar que quero para mim e para todos os que amo.

 

 

publicado às 23:28

Atendimento cinco estrelas

Há algum tempo que ando a redecorar uma casa que costumo alugar. Já tem uns bons anitos e precisava de uma reforma no interior.

Meti mãos á obra e passado pouco tempo já estava arrependida de o ter feito, mas já tinha começado , não havia volta a dar. E como sempre á boa maneira portuguesa, ninguém cumpre prazos, ou então dizem que vêm num dia e aparecem dois dias depois.

Tem sido um teste á minha paciência, mas á medida que as coisas vão tomando forma, fico contente por ver que tudo está a ficar como idealizei.

Tenho andado num corrupio; para além de ter de comprar, cortinados, mesas, cadeiras, candeeiros, tapetes  e sei lá que mais, há ainda a preocupação em escolher o mais barato e bonito, duas coisas que são difíceis de conciliar.

Claro que nestas minhas andanças já fui algumas vezes ao Ikea e de todas elas venho com o carro a abarrotar. Para economizar mais uns euros não requisitei os serviços de montagem que esta empresa fornece, porque havia gente habilidosa que o podia fazer...e assim aconteceu.

Na a altura de montar uma mesa de jantar, qual não foi o meu espanto, quando descobri que tinha trazido o tampo de uma cor e as pernas de outra. Lá tive de voltar de novo ao Ikea, um pouco aflita e apreensiva, porque ia sozinha e não sabia se encontraria alguém para me ajudar a descarregar aquele peso enorme.

Dirigi-me ao serviço de apoio a clientes, contei o que se passava e da minha incapacidade de descarregar as tábuas sem ajuda de alguém. Fez um ar de espanto a menina que me atendeu, mas pensou uns segundos e apesar de não ser hábito os funcionários fazerem essa tarefa ofereceu-se para ajudar. Uma batalha estava ganha, respirei aliviada. E carregar? Teria a mesma sorte? Sim, é verdade tive muita sorte, a mesma funcionária, mandou-me sentar e disse-me que ia falar com o colega que me traria tudo sem ser preciso eu mexer uma palha. Esperei alguns minutos e tudo apareceu. Não foi necessário eu pedir ajuda de novo, ela avisou as colegas do que ia fazer e as duas lá fomos carregar a bendita mesa.

Desfiz-me em agradecimentos, louvei a sua prestabilidade e pensei cá para os meus botões que se todas as empresas tivessem empregados assim, teriam mais sucesso, venderiam mais, e não teríamos tantas vezes a desagradável sensação que alguém esteve a fazer um enorme frete em vender-nos alguma coisa.

 

 

publicado às 07:45

Mais sobre mim

imagem de perfil