Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cantinho da Manu

"Quando duas pessoas partilham um pão, cada uma volta com um. Quando partilham ideias, voltam com duas." (Buda)

Cantinho da Manu

"Quando duas pessoas partilham um pão, cada uma volta com um. Quando partilham ideias, voltam com duas." (Buda)

Momento de poesia

Iph97ZjzQsTbWocuw1li

 Para Atravessar contigo o Deserto do Mundo

 

Para enfrentarmos juntos o terror da morte
Para ver a verdade para perder o medo
Ao lado dos teus passos caminhei

Por ti deixei meu reino meu segredo
Minha rápida noite meu silêncio
Minha pérola redonda e seu oriente
Meu espelho minha vida minha imagem
E abandonei os jardins do paraíso

Cá fora à luz sem véu do dia duro
Sem os espelhos vi que estava nua
E ao descampado se chamava tempo

Por isso com teus gestos me vestiste
E aprendi a viver em pleno vento
 
Sophia de Mello Breyner Andresen, in 'Livro Sexto'

Receita de Ano Novo

 

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor de arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação como todo o tempo já vivido
(mal vivido ou talvez sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser,
novo até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanhe ou qualquer outra bebida,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?).
Não precisa fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar de arrependido
pelas asneiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto da esperança
a partir de janeiro as coisas mudem                                                 


e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.
Para ganhar um ano-novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo de novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

 

(Carlos Drummond de Andrade)

 

Que cada um de nós encontre dentro de si próprio a melhor forma de ser feliz em 2012

 

 


Tudo passa tão depressa!

Tão bom viver dia a dia…
A vida assim, jamais cansa…
Viver tão só de momentos
Como estas nuvens no céu…
E só ganhar, toda a vida,
Inexperiência… esperança…
E a rosa louca dos ventos
Presa à copa do chapéu.
Nunca dês um nome a um rio:
Sempre é outro rio a passar.
Nada jamais continua,
Tudo vai recomeçar!
E sem nenhuma lembrança
Das outras vezes perdidas,
Atiro a rosa do sonho
Nas tuas mãos distraídas…

(Mário Quintana)
 

 

Ruínas

 

 

Se é sempre Outono o rir das primaveras,
Castelos, um a um, deixa-os cair...
Que a vida é um constante derruir
De palácios do Reino das Quimeras!

E deixa sobre as ruínas crescer heras.
Deixa-as beijar as pedras e florir!
Que a vida é um contínuo destruir
De palácios do Reino de Quimeras!

Deixa tombar meus rútilos castelos!
Tenho ainda mais sonhos para erguê-los
Mais altos do que as águias pelo ar!

Sonhos que tombam! Derrocada louca!
São como os beijos duma linda boca!
Sonhos!... Deixa-os tombar... deixa-os tombar...

(Florbela Espanca)

Navegar

foto do blog existe um olhar

Navega, descobre tesouros,
mas não os tires do fundo do mar,
o lugar deles é lá.

Admira a Lua,
sonha com ela,
mas não queiras trazê-la para Terra.

Goza a luz do Sol,
deixa-te acariciar por ele.
O calor é para todos.

Sonha com as estrelas,
apenas sonha,
elas só podem brilhar no céu.

Não tentes deter o vento,
ele precisa correr por toda a parte,
ele tem pressa de chegar sabe-se lá onde.

As lágrimas?
Não as seques,
elas precisam correr na minha, na tua, em todas as faces.

O sorriso!                                                                                            

Esse deves segurar,
não o deixes ir embora, agarra-o!

Quem amas?
Guarda dentro de um porta jóias, tranca, perde a chave!
Quem amas é a maior jóia que possuis, a mais valiosa.

Não importa se a estação do ano muda,
se o século vira, conserva a vontade de viver,
não se chega a parte alguma sem ela.

Abre todas as janelas que encontrares e as portas também.
Persegue o sonho, mas não o deixes viver sozinho.
Alimenta a tua alma com amor, cura as tuas feridas com carinho.

Descobre-te todos os dias,
deixa-te levar pelas tuas vontades,
mas não enlouqueças por elas.

Procura!
Procura sempre o fim de uma história,
seja ela qual for.

Dá um sorriso àqueles que esqueceram como se faz isso.
Olha para o lado, há alguém que precisa de ti.
Abastece o teu coração de fé, não a percas nunca.

Mergulha de cabeça nos teus desejos e satisfá-los.
Agoniza de dor por um amigo,
só sairás dessa agonia se conseguires tirá-lo também.

Procura os teus caminhos, mas não magoes ninguém nessa procura.
Arrepende-te, volta atrás,
pede perdão!

Não te acostumes com o que não te faz feliz,
revolta-te quando julgares necessário.
Enche o teu coração de esperança, mas não deixes que ele se afogue nela.

Se achares que precisas de voltar atrás, volta!
Se perceberes que precisas seguir, segue!

Se estiver tudo errado, começa novamente.
Se estiver tudo certo, continua.

Se sentires saudades, mata-as.
Se perderes um amor, não te percas!
Se o achares, segura-o!

Circunda-te de rosas, ama, bebe e cala.
"O mais é nada".

 

(Fernando Pessoa)

Em cima da minha mesa...

Em cima da minha mesa

Da minha mesa de estudo

Mesa da minha tristeza

Onde noite e dia....

..............................................

Começava assim o poema de José Régio, que eu deveria   declamar numa festa onde todos os estabelecimentos de ensino da cidade participariam.

Lá estariam as pessoas mais importantes : o bispo, o governador civil, o presidente da câmara e tantos tantos mais que nem me importei em saber.

O que me preocupava era desempenhar bem o meu papel e não deixar mal visto o nosso colégio.

Cantar, dançar, pintar, representar era o que melhor me podiam mandar fazer; esquecessem a matemática, a geografia, as ciências...eu queria era arte, drama, encenação, palco...

Durante semanas a fio a paciente irmã Sameiro fez-me repetir centenas de vezes o bendito poema, que volvidos tantos anos não esqueci.

...e lá recomeçava pela centésima vez:

...Em cima da minha menza...

- Não é menza, é mesa- gritava ela

...rasgo folhas...

- a tua voz, a tua boca, a tua entoação tem que dar a ideia de rasgar...mais vida, sente o que estás a dizer.

...e me estudo, eu já me estudo...

- Vá agora a expressão é outra, é como se  estivesses a dar uma novidade.

 Não fosse o meu gosto pela representação, teria desistido. Tantas brincadeiras perdidas, enfiada numa sala com aquela mulher possante á minha frente a gritar  vezes sem conta..."mesa" e eu a dizer outras tantas "menza"

Chegou o grande dia.

 Blusa branca, saia preta, cabelo comprido caído bem penteado, soquete e sapato a condizer...tudo parecia perfeito.

 Lentamente  subi as escadas do palco. As pernas tremiam, mas o pior foi o lábio inferior que parecia uma castanhola que eu tentei  parar com uma forte mordidela ...quanto mais mordia mais ele batia; por momentos julguei que o trabalho de semanas tinha sido em vão. O  micro estava demasiado alto para os meus minúsculos doze anos; enquanto o colocavam á minha altura, deu tempo para continuar a controlar  o meu tremor labial.

 Soltei as palavras... como por milagre o lábio parou de tremer. Não vi ninguém, não olhei para nada, os olhos perderam-se no infinito  vazios de imagens e cheios de emoção. Ecoaram palmas, senti que todos se levantavam...aplaudiam de pé...tinha conseguido!

 A última frase do poema permanecerá em mim até ao dia em que eu sentir que a poderei oferecer á única pessoa que a poderá dizer com o mesmo amor com que eu a disse há muitos anos atrás.

"Em cima da minha mesa tenho o teu retrato ...Mãe!"

                                       

 

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D